top of page
  • Writer's pictureNatureHub Brasil

Cinco tendências de soluções baseadas na natureza para acompanhar em 2024

2023 marcou um ano volátil para o mercado de soluções baseadas na natureza. O espaço recebeu desafios saudáveis de jornalistas e críticos, e a maior parte do ecossistema concordaria que o foco nos projetos de alta qualidade foi produtivo.


Quando olhamos para 2024, uma citação que nos vem à mente é "We have to change from doubters to believers".


Uma frase famosa dita por Jurgen Klopp ao chegar como técnico do Liverpool, clube de futebol na Inglaterra. Ele transformou rapidamente a mentalidade de um time de baixo desempenho em campeão inglês, europeu e mundial.


Inspirados por Jurgen, queríamos destacar cinco tendências que nos deixam otimistas com o setor das soluções baseadas na natureza em 2024.


🌳 Projetos premium de ARR continuam a elevar os preços dos créditos.

📒 Encontrando a natureza no balancete das empresas.

✅ Fintech floresce, reduzindo o risco de investimentos na natureza.

💰 Novas oportunidades de receita para soluções baseadas na natureza.

🤝 Formação de um novo tipo de parceria.




🌳 Projetos premium de ARR continuam a elevar os preços dos créditos - O relatório de 2023 da Sylvera sobre o estado do mercado de créditos de carbono destacou que os preços de ARR estavam flutuando em torno de US$ 12, uma ilustração do sentimento negativo no mercado após uma série de críticas desafiadoras.

No último mês do ano, a crença foi restaurada pela líder brasileira, Mombak, que anunciou publicamente um acordo com a McLaren. O acordo previa uma taxa de US$ 50 por crédito - 4x maior do que os dados citados no relatório Sylvera. A esperança é que mais empresas possam oferecer as garantias de qualidade e continuar a elevar esses preços a um ponto em que mais fornecedores se sintam confiantes para participar de projetos de reflorestamento. Esperamos que os líderes de ARR de hoje continuem a elevar ainda mais esse preço.


📒 Encontrando a natureza no balancete das empresas - No ano passado, a SEC dos EUA anunciou publicamente seu desejo de tornar obrigatória a divulgação de informações sobre o clima para as empresas. Apesar do recuo em relação aos custos adicionais de divulgação (US$ 500 mil), a comissão continua a liderar a agenda com o objetivo de combater a "greenwashing" e a descarbonização.

Nascido na Alemanha com uma visão global, o The Landbanking Group investiu muito tempo em contadores tradicionais com o objetivo de "colocar a natureza no balancete". Isso resultou na criação de uma poderosa plataforma tecnológica que combina soluções MRV viabilizadas por IA com uma infraestrutura de mercado que conecta a demanda com produtores agrícolas regenerativos. A natureza está entrando no balancete. Esperamos que sim.


Fintech floresce, reduzindo o risco de investimentos na natureza - Apesar dos avanços dos líderes do setor, o recente mercado de carbono ainda está semeando ideias sobre como ajudar a mitigar o risco do mercado e dos negócios. No Brasil, vimos o BID anunciar uma colaboração com o Ministério da Fazenda para ajudar os investidores a superar o risco cambial. No entanto, as startups também estão aproveitando as oportunidades para ocupar espaços no lado da oferta e da demanda.

A Kumo foi lançada no recente WEC em Davos, oferecendo uma solução de empréstimo que permite que os desenvolvedores de projetos usem créditos de carbono como garantia para acessar o tão necessário financiamento do crescimento. No outro extremo da cadeia de valor, a Kita lançou um produto de seguro para investidores em carbono em parceria com a instituição global de seguros número 1, a Lloyds of London. Sinais vitais de um mercado em amadurecimento.


💰 Novas oportunidades de receita para soluções baseadas na natureza - Os créditos de carbono se tornaram um mecanismo de mercado útil que permite que os produtores de terra diversifiquem a renda para além das atividades agrícolas tradicionais. Este ano, esperamos que essas oportunidades se multipliquem, criando maiores incentivos para que os implementadores aumentem seu impacto e restaurem terras agrícolas degradadas.

Quatro novos temas a serem observados incluem - Terra Preta com biochar, InPlanet com intemperismo de rochas, MetaGen com medição de biodiversidade e Sintropica Capital com pagamentos por serviços de ecossistema. Essas soluções são complementares às atividades de reflorestamento ou restauração de terras, oferecendo produtos com novas características de fluxo de caixa e lucratividade. Se estiver trabalhando e regenerando terras degradadas, esses são temas a serem investigados.


🤝 Formação de um novo tipo de parceria - Steve Jobs e Steve Wosniak foram parceiros icônicos na Apple, com perfis muito diferentes que combinavam um olhar visionário com uma execução técnica talentosa. No NatureHub, estamos entusiasmados em ver duplas como essa se formando entre empreendedores e cientistas.

Estamos acompanhando empreendedores que estão deixando os mercados de tecnologia ou finanças para criar soluções e negócios na natureza, incluindo uma safra recente que deixou carreiras em empresas como McKinsey, Quinto Andar, Olist e IDWall. Apesar de empolgante, o NatureHub tem plena convicção de que esses perfis só serão bem-sucedidos em parceria com cientistas e doutores que trazem as habilidades técnicas e de pesquisa para uma execução rigorosa. Se estiver interessado em participar de oportunidades de matchmaking, entre em contato aqui.


 
🌱 Para acompanhar mais conteúdo e entrevistas com especialistas da comunidade NatureHub se inscreva na nossa newsletter.

158 views0 comments

Comments


interview
bottom of page