top of page
  • Writer's pictureNatureHub Brasil

Visão do Dr. James Tiburcio: A missão da SamaÚma de gerar impacto socioambiental em escala

Updated: Mar 21

"A geração atual de empreendedores tem em suas mãos a oportunidade de ser aquela que subverte a lógica de mercado e leva as soluções baseadas na natureza para aqueles que mais têm a ganhar com elas: as comunidades mais afetadas pela degradação ambiental, pela crise climática, pela insegurança alimentar. Os recursos financeiros, técnicos, humanos, e políticos existem."

homem agachado em meio a diversas mudas de plantas.


1. Qual é a sua formação e experiência em soluções baseadas na natureza (SBN)?


Concluí meus estudos de graduação em Economia, segui para um mestrado em Relações Internacionais e obtive um doutorado em Desenvolvimento Sustentável.

Minha entrada no campo de SBN ocorreu por meio de uma oportunidade que surgiu quando a organização americana, Eden Reforestation Projects (ERP), procurou um gestor para iniciar operações no Brasil. Ao me candidatar e ser selecionado, percebi as possibilidades mais amplas e as necessidades não atendidas no campo que se estendiam além do foco da ERP. Posteriormente, comecei a colaborar com uma organização britânica, a Regenerative Agroforestry Impact Network (RAIN – CIC), e mais recentemente, minha esposa e eu fundamos nossa empresa de impacto social, SamaÚma Projetos Socioambientais, para abordar aspectos adicionais de SBN.

Meu desejo de crescer em SBN hoje é alimentado pela crença de que esforços concertados são necessários para mitigar os efeitos prejudiciais da crise climática, reduzir as emissões de gases de efeito estufa e se adaptar a mudanças irreversíveis. A urgência desses desafios ambientais exige ação colaborativa, não apenas para o bem-estar da espécie humana, mas também para a diversificada flora e fauna dos quais nossa existência depende.

2. Como você descreveria a proposta de valor da sua organização para alguém novo no setor?


A SamaÚma Projetos Socioambientais oferece uma proposta ancorada em nosso compromisso de capacitar povos indígenas, comunidades tradicionais e populações urbanas marginalizadas. Como uma empresa familiar de consultoria socioambiental, especializamo-nos em facilitar investimentos em SBN, projetos de mitigação e adaptação às mudanças climáticas.

Esse foco no impacto socioambiental é o nosso diferencial chave, a ênfase em iniciativas lideradas pela comunidade. Ao interagir ativamente com partes interessadas locais, garantimos que nossos esforços de restauração ultrapassem a regeneração dos ecossistemas para abordar as necessidades e aspirações únicas das comunidades que residem nessas áreas. Nossas principais habilidades incluem avaliações de impacto social e ambiental, gerenciamento de riscos proficiente e estudos abrangentes de viabilidade de projetos, e a nossa razão de ser, a implementação efetiva de projetos.

Queremos colaborar diretamente com as comunidades locais, garantindo que nossos projetos sejam não apenas culturalmente sensíveis, mas também orientados pela comunidade e ambientalmente sustentáveis. Desde os primeiros trabalhos em equipe, abraçamos uma abordagem holística, reconhecendo a conexão intrínseca entre as pessoas, a terra e a restauração dos ecossistemas. Reconhecemos a urgência de lidar com as mudanças climáticas e seu impacto profundo nas comunidades vulneráveis. Através de práticas de desenvolvimento sustentável, almejamos ser um ponto de apoio para o farol de esperança que essas comunidades são para o planeta.

Orgulhamo-nos de nossa expertise em criar soluções holísticas que não apenas mitigam efetivamente as mudanças climáticas, mas também elevam as comunidades e protegem seu patrimônio cultural. Nosso método de trabalho único nos diferencia ainda mais, pois realizamos trabalhos orgânicos de restauração ambiental. Isso envolve evitar pesticidas e agroquímicos, minimizar o uso de maquinário pesado e priorizar a recuperação ambiental sem aumentar nossa pegada de carbono. Em Soluções baseadas na natureza, meios éticos são tão cruciais quanto alcançar os objetivos desejados. Na nossa área os fins não justificam os meios.


3. Quais são os números ou insights de mercado que mais te animam no espaço de SBN?


A convergência de SBN e da implementação de projetos de recuperação ambiental, de plantio para projetos para o mercado de crédito de carbono voluntário é um nicho que a SamaÚma e a RAIN estão explorando. Nosso trabalho evidencia que as comunidades mais marginalizadas do nosso país têm muito a contribuir para a economia e para a própria estratégia de mitigação dos efeitos da crise climática.

No doutorado pesquisei desenvolvimento sustentável e segurança alimentar. Soluções Baseadas na Natureza (SBN) desempenham um papel crucial ao enfrentar uma miríade de desafios relacionados à segurança alimentar, nutrição, e limitação das consequências de desastres naturais no Brasil. Pequenos agricultores, quilombolas, indígenas, essenciais para a produção de alimentos no país, podem se adaptar efetivamente às mudanças climáticas por meio de SBN, especialmente pela integração de preocupações com nutrição e segurança alimentar com práticas agroflorestais. A restauração dos ecossistemas de manguezais no Maranhão, liderada por iniciativas como da SamaÚma - RAN, contribui para a mitigação de desastres ao aprimorar a resiliência dos ecossistemas e da comunidade. SBN também capacitam comunidades a resistir a desastres naturais por meio da implementação de estratégias como o plantio diversificado de culturas, agrobiodiversidade e o aproveitamento do conhecimento tradicional, reduzindo a vulnerabilidade e fortalecendo a resiliência geral. Além disso, SBN promovem a coesão social ao reunir as pessoas em espaços naturais, fomentando comunidades mais saudáveis e promovendo o bem-estar geral. Em essência, SBN oferecem uma abordagem holística e abrangente para lidar com os impactos das mudanças climáticas, beneficiando populações rurais, ecossistemas e sociedades. A mudança positiva ocorre quando indivíduos se envolvem e contribuem ativamente para essas iniciativas, a importância da ação coletiva no combate às mudanças climáticas e seus efeitos.

Todas essas coisas boas acontecem quando pessoas como você e eu fazem algo a respeito, se envolvem e fazem ativamente e intencionalmente algo com nossas vidas que é totalmente direcionado aos seres vivos que nos cercam.


4. Quais são as principais dificuldades ou travas que, se resolvidas, podem e têm contribuído para o crescimento das SBN?


A cadeia produtiva da restauração ecossistêmica, das SBN ainda engatinha no Brasil e no mundo. Muitas grandes corporações e governos ainda ignoram os pequenos e médios desse mercado. Não vejo essa situação como uma barreira para o sucesso das minhas iniciativas, mas elas tornam o caminho mais difícil.

Os gargalos começam com a limitação na conscientização da existência, necessidade, e benefícios das SBN. Existe também uma fragmentação generalizada, uma falta de integração entre visões e objetivos da iniciativa privada comercial, filantrópica e governo.

Há uma falta de mecanismos financeiros para novas empresas. Eu poderia continuar, falar das dificuldades técnicas, do domínio da cultura da monocultura mesmo nos círculos de restauração, das barreiras sociais e culturais, das questões fundiárias, das lacunas na legislação, falta de integração das políticas ambientais, sociais e econômicas, os riscos, e por aí vai.

A situação de crise climática e ambiental requer uma concertação societária, um novo contrato social baseado nas SBN. Há espaço para isso e o Brasil pode ainda liderar nessa área.


5. O que você gostaria de compartilhar com a comunidade NatureHub Brasil?


As inovações, ou talvez melhor, revelações (pois já existem) das soluções de SBN não podem ser avaliadas a partir de análises financeiras e de risco convencionais. O risco ao planeta é incomparavelmente maior. As instituições financeiras, governos, e aqueles que detêm os meios monetários para a ampliação e replicabilidade de projetos bem-sucedidos de SBN precisam contextualizar o alcance delas, e ultrapassar as amarras da inércia da economia baseada nos hidrocarbonetos. Precisamos arriscar muito mais, na direção certa.


 
🌱 Para acompanhar mais entrevistas com especialistas da comunidade NatureHub

184 views0 comments

Comments


interview
bottom of page