top of page
  • Writer's pictureNatureHub Brasil

Visão de Gilad Goren, Diretor Executivo da Nature Tech Collective: Evoluindo a tecnologia para um futuro positivo para a natureza.

"A nossa principal aposta para desbloquear a escala do investimento em SBN é resolver a lacuna de dados sobre a natureza, principalmente através do dimensionamento da tecnologia da natureza."

Gilad Goren perfil
Gilad Goren, Diretor Executivo da Nature Tech Collective

1. Qual é a sua formação e experiência em soluções baseadas na natureza (SBN)?


Passei os últimos quinze anos na intersecção entre empreendedorismo, impacto e tecnologia - muitas vezes como fundador, mas também como construtor de comunidades e conselheiro.


Começando, curiosamente, na indústria de viagens, minha entrada no mundo das SBN é através das lentes das viagens de impacto, que incluem, claro, o ecoturismo. Grande parte do meu trabalho consistia em tentar reimaginar a sustentabilidade nas viagens como um conjunto de princípios orientadores, em vez de uma categoria de nicho pequena e separada.


A exposição às SBN nessa fase consistia na criação do tipo de experiências turísticas que fossem positivas para os países anfitriões e na construção da política de compras para aquela que era, na altura, a marca de hotel urbano com maior impacto.


Do turismo, passei parte da minha carreira no mundo da filantropia, onde o foco era muitas vezes o maior impacto por dólar. É aqui que se percebe que os dados e os fatos concretos são cruciais para provar a viabilidade e o potencial dos projetos filantrópicos - e que, na verdade, mesmo com esses dados em mãos, muitas vezes se tratará de tudo o que é importante para o doador, e não do bem que pode ser feito. Em outras palavras, você deve estar munido tanto da ciência quanto da arte de contar histórias.


Mais recentemente, antes do Nature Tech Collective, fui co-fundador e liderei negócios para o blockchain de impacto Bitgreen, onde passei grande parte do meu tempo fazendo interface com o mundo do VCM e dos créditos da natureza. Isso me proporcionou uma visão muito mais completa do mundo do deselvolvimento de projetos, MRV, política climática e as muitas complexidades vivas no mundo.


2. Como você descreveria a proposta de valor da sua organização para alguém novo no setor?


O Nature Tech Collective existe para nos impulsionar em direção à coexistência efetiva entre o humano e sobrehumano. Acreditamos que isto só poderá ser alcançado se a lacuna no financiamento da natureza puder ser colmatada.


A organização foi fundada com base no entendimento comum de que o “Environmental Industrial Complex” é construído sobre bases de dados defeituosas. A falta de financiamento do setor privado necessário para colmatar a lacuna de financiamento deve-se, em grande medida, à lacuna de dados sobre a natureza.


A nossa teoria da mudança é que só através de um setor tecnológico da natureza robusto e bem adotado poderemos preencher a lacuna de dados sobre a natureza, o que irá desbloquear financiamentos na escala necessária para colmatar a lacuna de financiamento da natureza.


3. Quais são os números ou insights de mercado que mais te animam no espaço de SBN?


De relevância direta para a parte de tecnologia natural do SBN: uma descoberta recente dos nossos amigos da Serena Capital reflete que, mesmo com uma desaceleração no capital de risco em 2023, o mercado de tecnologia natural teve um forte impulso ao longo de 2023, com montantes investidos mais elevados (+18 %), mais negócios (+27%), um segmento inicial muito ativo (+35%) e um melhor equilíbrio entre verticais e geografias.


Em termos de estudo de caso, fico animado com os relatórios das SBN em ação, como o perfil do uso de “corredores verdes” em Medellín a serviço da adaptação a um mundo aquecido.


4. Quais são as principais dificuldades ou travas que, se resolvidas, podem e têm contribuído para o crescimento das SBN?


A nossa principal aposta para desbloquear a escala do investimento em SBN é resolver a lacuna de dados sobre a natureza, principalmente através do dimensionamento da tecnologia da natureza.


Dito isto, sabemos que não se trata apenas de uma questão de recolha de novos dados. Há uma falha significativa de coordenação na forma de acesso isolado aos dados existentes e aos repositórios de modelos de dados. Muitas partes interessadas do setor privado recolhem regularmente dados sobre a natureza relacionados com os seus produtos e linhas de abastecimento - pense na recolha de dados sobre a água pela Coca Cola. A Coca Cola compartilhará seus dados com a Pepsi? Podemos habilitar isso? Pensamos que sim e temos trabalhado neste quadro de capacitação através do nosso trabalho com o TNFD.


Mais diretamente relacionado com SBN – há tanto conhecimento nas fileiras dos desenvolvedores de projetos experientes que não está necessariamente se espalhando pelo amplo ecossistema.


Existe uma plataforma que permite o compartilhamento de conhecimento? Não menos importante, estarão os desenvolvedores de projetos individuais dispostos a compartilhar o que podem considerar como sua propriedade intelectual se, por sua vez, puderem se beneficiar do modelo mais amplo de compartilhamento de dados, ou talvez de outros métodos de incentivo?


A restrição final que o Nature Tech Collective está tentando resolver é o acesso ao conhecimento, que é crucial para o crescimento e desenvolvimento da classe de desenvolvedores de SBN.


5. Você pode ajudar a esclarecer ou contextualizar uma palavra/conceito no espaço SBN que você acha que é frequentemente mal compreendido?


Uma questão que tenho visto surgir com bastante frequência desde que entrei neste espaço é que o clima se tornou sinónimo apenas de carbono e GEE, enquanto a “natureza” é muitas vezes um eufemismo para praticamente todo o resto.


A verdade é que o mundo do carbono (créditos, inserção, contabilidade, compensações, etc.) deve ser visto como a porta de entrada para uma maior compreensão de todas as variáveis ​​que respondem pela natureza e pela nossa relação com ela, bem como nosso relacionamento um com o outro.


As SBN proporcionam um meio de apoiar a redução de GEE, a reversão das perdas naturais e a equidade socioeconómica - tudo incluído num único investimento. Embora todos saibamos disto, não creio que esta mensagem tenha ainda atingido o status de meme; deve afetar um maior interesse nas SBN como catalisador na conversas sobre redução de carbono.


6. O que você gostaria de compartilhar com a comunidade NatureHub Brasil?


Precisamos que você redobre seus esforços e atraia muitos mais para se juntarem a você.


Estamos aqui para apoiar o seu trabalho e temos o prazer de desempenhar o papel de casamenteiros com soluções tecnológicas da natureza, bem como de trabalhar juntos para abrir financiamento novo e adicional para o seu trabalho - é por isso que existimos.

 
🌱 Para acompanhar mais entrevistas com especialistas da comunidade NatureHub

Comments


interview
bottom of page