top of page
  • Writer's pictureNatureHub Brasil

Visão de Murilo de Lima Arantes, CEO da Agrosintropia: Como métodos de agrofloresta estão redefinindo práticas agrícolas?

Updated: Apr 30

"No cenário atual de 'green washing' agroflorestal, observamos a promoção da agrofloresta biodiversa, enquanto na prática estão sendo plantadas pseudo monoculturas. Essa abordagem não irá fornecer no futuro os benefícios divulgados e esperados."

homem jovem sorrindo em um fundo florido

1. Qual é a sua formação e experiência em soluções baseadas na natureza (SBN)?


Sou um estudante da vida desde que me entendo por gente. Tive uma infância riquíssima morando no sul do Pará, vivenciando a Amazônia por dentro. Quando decidi estudar Biologia, a escolha foi muito fácil, não me via fazendo outro curso. Ainda durante os meus estudos em Biologia, tive contato com a agrofloresta, motivado por uma busca pessoal por uma técnica de plantio que fosse eficiente e inspirada na natureza. Por sorte, tive a oportunidade de conhecer o trabalho do Sr. Ernst Götsch em 2008 e presenciar na prática a capacidade incrível de uma pessoa em ler os ecossistemas e propor intervenções de manejo que contribuem para a melhoria da quantidade e qualidade de vida, construindo agroflorestas produtivas.


O planeta Terra é um grande laboratório de experimentação da vida, com bilhões de anos desenvolvendo padrões e processos que podem ser vistos como tecnologias naturais adaptadas às condições ambientais. Não precisamos reinventar a roda, mas sim entender bem como ela funciona. Pretendo continuar meus estudos sobre as manifestações da vida. Para isso, espero poder viajar e conhecer o maior número possível de ambientes remanescentes neste planeta. Dessa forma, podemos ampliar nosso repertório de observação para encontrar verdadeiramente as soluções baseadas na natureza mais viáveis para aplicar em todas as nossas intervenções de plantio e manejo com agrofloresta.


2. Como você descreveria a proposta de valor da sua organização para alguém novo no setor?


Não abrimos mão dos princípios naturais norteadores da agricultura sintrópica: plantio biodiverso, denso e conduzido por uma estratégia de manejo sistemático, guiado pela sucessão e estratificação, capaz de criar sistemas altamente produtivos e financeiramente viáveis. Nossa missão é plantar sistemas agroflorestais sintrópicos e produtivos, com profissionalismo e foco em soluções locais eficazes. Com ética e transparência, excelência, respeito à vida sob a ótica da Agricultura Sintrópica, com inovação colaborativa e justiça social, beneficiando todos os envolvidos. Queremos liderar a expansão agroflorestal global, contribuindo verdadeiramente para regeneração dos ecossistemas nos campos e nas cidades.


Os sistemas agroflorestais implantados pela Agrosintropia são atenciosamente planejados para otimizar a produção e a lucratividade, enquanto promovem a regeneração ecológica. Nossa equipe de consultores altamente qualificados atua com cuidado e comprometimento, trabalhando lado a lado com nossos clientes desde a fase de concepção até a implantação e o acompanhamento. Nós oferecemos soluções em: Projetos Agroflorestais personalizados com foco em produção agrícola, restauração ambiental, soluções de impacto em carbono, Projetos Urbanísticos agroflorestais, Hortas orgânicas e Gestão de Projetos implantados (KPIs).

3. Quais são os números ou insights de mercado que mais te animam no espaço de SBN?


Na verdade, trata-se de uma crítica ao volume significativo de recursos desperdiçados na restauração de áreas degradadas no Brasil devido à falta de busca pela implementação de soluções inspiradas no ambiente local e à inadequada aplicação da técnica agroflorestal. Muitas áreas que são rotuladas como 'restauradas por projeto' estão, na verdade, passando por um processo de regeneração natural, com pouco ou nenhum impacto ecológico proveniente das intervenções de plantio realizadas. Restaurar áreas degradadas não se resume simplesmente a plantar mudas de espécies nativas. A natureza opera por meio de processos complexos que se desenvolvem ao longo do tempo. Para efetivamente restaurar ecossistemas degradados, precisamos compreender e aplicar esses processos naturais em nossas intervenções. É essencial abandonar a abordagem simplista de restauração e adotar práticas que valorizem a diversidade biológica, promovam a resiliência dos ecossistemas e considerem as características únicas de cada ambiente. Somente assim poderemos transformar positivamente as áreas degradadas e promover a saúde e a sustentabilidade dos ecossistemas.


4. Quais são as principais dificuldades ou travas que, se resolvidas, podem e têm contribuído para o crescimento das SBN?


No contexto da Agrofloresta, é crucial investir em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) para o desenvolvimento de maquinário adequado tanto para o manejo em pequena escala quanto em larga escala. Além disso, é essencial ampliar os estudos que comprovem a eficiência e os benefícios da aplicação do conhecimento e manejo agroflorestal, especialmente em termos de melhoria da qualidade do solo, fixação de carbono, aumento da biodiversidade, nutrição dos alimentos, produtividade e modelos financeiros de investimento. Enfrentamos também diversos desafios operacionais e de fornecimento de insumos para a implantação de grandes áreas de agrofloresta no Brasil e no mundo. Embora haja uma oferta significativa de capital e empresas e instituições capacitadas para captar esses recursos, ainda existe uma falta de empresas especializadas em executar esses trabalhos na prática. Com relação aos insumos, espera-se que mais empresas surjam para atender à crescente demanda por projetos dessa natureza. Atualmente, já enfrentamos dificuldades na realização de encomendas de mudas e sementes para projetos de reflorestamento em larga escala.


5. Você pode ajudar a esclarecer ou contextualizar uma palavra/conceito no espaço SBN que você acha que é frequentemente mal compreendido?


A agrofloresta e a agricultura sintrópica são abordagens inovadoras de produção que representam soluções baseadas na natureza. Infelizmente, essa visão muitas vezes é mal compreendida, especialmente quando se discute retornos financeiros e potencial de produção. Muitas pessoas presumem que essas áreas não seriam altamente produtivas, pois se inspiram na natureza. No entanto, essa é uma visão equivocada. Quando manejadas adequadamente, as áreas de agrofloresta podem ser tão produtivas, se não mais, do que os sistemas convencionais monoculturais. Não se trata apenas de plantar áreas com biodiversidade e densidade inspiradas na natureza. É necessário um manejo cuidadoso e sistemático de poda e organização da matéria orgânica para que essas áreas sejam verdadeiramente produtivas, rentáveis e também inspiradas na natureza.


6. O que você gostaria de compartilhar com a comunidade NatureHub Brasil?


É preocupante observar como a agrofloresta tem sido apresentada por algumas instituições e empresas como uma solução simples para uma série de desafios da agenda climática. No entanto, é crucial reconhecer os desafios envolvidos na plantação e condução de uma agrofloresta produtiva ao longo do tempo. Essa prática requer um esforço significativo e dedicação para garantir que as premissas estabelecidas sejam alcançadas. No cenário atual de 'green washing' agroflorestal, observamos a promoção da Agrofloresta Biodiversa, enquanto na prática estão sendo plantadas pseudo monoculturas. Essa abordagem não irá fornecer no futuro os benefícios divulgados e esperados. Na Agrosintropia, comprometemo-nos com o rigor técnico, desde a elaboração do projeto até o acompanhamento em campo, garantindo que nossas agroflorestas sejam produtivas e financeiramente viáveis no futuro.


 
🌱 Para acompanhar mais entrevistas com especialistas da comunidade NatureHub

Comments


interview
bottom of page